Follow by Email

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

MEU EU CHORA NA MADRUGADA





















Tenho sonhos cruéis, alma doente,
Sinto vago receio prematuro.
'Stou cheio de saudades no presente,
Vou, com medo, sonhando o futuro!

Saudades do meu eu que eu procuro
No peito conhecer. E, rudemente,
Cubro meu coração c' um véu escuro,
E vou encontrá-lo, lá no poente!

Meu ser tem ânsia de harmonia,
Como luz raiada que m' alumia...
Sou dos que querem ter o céu agora!

Sem harmonia, meu ser é um nada,
Um sol que aspira à madrugada...
E é na madrugada qu' o eu chora!

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário