quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Ó TERRA AMADA!

A alegria da vida é ouro,
Quando a procuro, ela se vai!
Melros alegres de bico d'ouro,
Vós, que m'alegrais a vida, cantai!

Que é feito das claras madrugadas,
Quando pescava nas águas do Douro?
Já não ouço alegres gargalhadas
Das moças com lindo cabelo louro!

Paisagem virginal d'Anacreonte,
Bosques, campinas, frescura da fonte,
Águas do monte... Suavidade!

'Stou prostrado em lânguido desmaio:
A vida é veloz como um raio...
E da minha terra, sinto saudade!

Modesto

Sem comentários:

Enviar um comentário

SAUDADES, MÃE !

Vejo-te num anónimo jazigo Humilde, ond' a paz se nos revela. Erguida, junto dum ciprest' antigo, Contemp...